Untitled-1

 

BOM OU RUIM? TAÍ UM ASSUNTO POLÊMICO!

Comunidades sempre existiram na área dos games. A comunicação entre as desenvolvedoras e os jogadores era feita através de cartas, telefonemas ou diretamente com a empresa, mas somente pessoas selecionadas (com experiência nos jogos e afins). Só que com a chegada da internet e a inclusão digital, todo mundo começou ganhar uma voz. O problema é que nem sempre essa voz traz benefício para o game e nem mesmo para nós, jogadores.

Agora me diga, o que você acha disso?

Bem, com a minha experiência de anos observando esta “parceria”, o que sempre deu certo é a empresa pedir para quem manja testar, para encontrar bugs, exploits e verificar o nível de dificuldade e entretenimento durante todo o game. E, após o lançamento, ter o contato “mínimo” com a comunidade no intuito de solucionar os problemas de bugs e adicionar conteúdo no jogo. E, se necessário, a comunidade influencia diretamente na criação de itens cosméticos para o game, ou seja, coisas que não influenciam na jogabilidade, como nos jogos Dota 2 e CS:GO.

Agora, se você quer que seu jogo seja motivo de reclamações desde o início, crie o game e deixe a comunidade tomar conta, como o senhor Jeff Kaplan vem fazendo com o Overwatch, da Blizzard, pedindo nerf, buff e n em tudo (nerf: diminuir a funcionalidade do personagem ou item, buff: contrário do nerf e rework é a parcial ou total reformulação do personagem ou item).

overwatch-share-3d5a268515283007bdf3452e877adac466d579f4b44abbd05aa0a98aba582eeaebc4541f1154e57ec5a43693345bebda953381a7b75b58adbd29d3f3eb439ad2.jpg

É claro que ouvir reclamações, testar e fazer pequenos ajustes a fim de uma experiência mais suave é totalmente válido; a questão é que esse povo que não tem o que fazer, e que não consegue ter bons desempenhos, acaba colocando a culpa no game, personagem ou item, tornando péssima a sua experiência e de outros jogadores também, e a empresa não deve, em hipótese alguma, ouvir esse tipo de opinião.

Então, galera, no choro de hoje, eu não estou querendo dizer que a comunidade é ruim para os jogos, mas, sim, que ela deve ser usada de maneira adequada pela desenvolvedora com a intenção de melhorar a experiência de todos em um jogo bom e gratificante em sua versão final. Aprendam que quem faz o game não é a comunidade, é a empresa.

Sendo assim, povo, joguem mais e reclamem menos.

Deixe uma resposta